quinta-feira, 8 de março de 2018

Trump se reúne para discutir sobre jogos violentos


O presidente dos EUA, Donald Trump, deve encontrar representantes de empresas de videogames na quinta-feira para discutir conteúdo violento. A reunião ocorre na sequência do tiroteio do mês passado em uma escola da Flórida, na qual morreram 17 pessoas. O presidente expressou, no passado, a visão de que jogos violentos "moldavam os pensamentos dos jovens".

Mas a indústria do jogo se defendeu, dizendo que não há evidências que sugerem um vínculo entre jogos violentos e ações violentas da vida real. A Electronic Software Association (ESA), que representa a indústria de jogos nos EUA, disse que estaria atendendo. "A próxima reunião na Casa Branca proporcionará a oportunidade de ter uma conversa baseada em fato sobre avaliações de videogames, o compromisso da nossa indústria com os pais e as ferramentas que fornecemos para fazer escolhas de entretenimento informadas", afirmou em um comunicado.

Também na reunião será o Entertainment Software Rating Board (ESRB), a organização responsável pela orientação de idade e conteúdo para jogos. Os críticos da indústria incluirão Brent Bozell do Media Research Center. Ele frequentemente pediu uma redução da violência nos jogos.

Outros participantes incluem:

Strauss Zelnick, diretor executivo da Rockstar Games - o fabricante da série Grand Theft Auto
Robert Altman, presidente-executivo da ZeniMax Media, que possui Doom, Fallout e Wolfenstein-maker Bethesda
Lt Col Dave Grossman, autor da Assassination Generation: Video Games, Aggression, e a Psychology of Killing
Melissa Henson, mãe do Parents Television Council
Poucos detalhes oficiais sobre a reunião foram fornecidos pela Casa Branca, mas a secretária de imprensa, Sarah Sanders, disse que a violência nos jogos era "certamente algo que deveria ser observado e algo sobre o qual queremos conversar".

Sanders anunciou a reunião na semana passada - uma surpresa completa para os números do setor de jogos, que naquele momento não receberam nenhuma informação ou convites.

'Criando monstros!'

Em várias ocasiões, o presidente Trump apontou a violência do videogame como um problema que afeta potencialmente os jovens americanos. "A violência e a glorificação do videogame devem ser interrompidas", escreveu ele no Twitter em dezembro de 2012.


"Está criando monstros!"

A indústria de jogos tem rotineiramente e fortemente defendido contra reivindicações que seus produtos provocam a violência da vida real. "Os videojogos são apreciados em todo o mundo e numerosas autoridades e estudos científicos respeitáveis ​​não encontraram conexão entre jogos e violência na vida real", afirmou a ESA em um comunicado.

"Como todos os americanos, estamos profundamente preocupados com o nível de violência armada nos Estados Unidos. Os jogos de vídeo não são claramente o problema: o entretenimento é distribuído e consumido globalmente, mas os EUA têm um nível exponencialmente maior de violência armada do que qualquer outra nação ".

Em 2011, a Suprema Corte dos EUA anulou uma lei da Califórnia que proibiu a venda de certos jogos violentos a crianças sem supervisão dos pais. Ele considerou que os jogos eram protegidos pela lei pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA.

No entanto, ao fazer sua decisão, o tribunal disse que a questão pode justificar um exame mais aprofundado em uma data posterior. O encontro não é o primeiro a acontecer entre a Casa Branca ea indústria de jogos na sequência de um tiroteio na escola.

Em 2013, após a morte de 20 crianças pré-escolares e seis membros da equipe da Sandy Hook Elementary School em Connecticut, o vice-presidente da época, Joe Biden, conheceu representantes de empresas de empresas como Electronic Arts e Epic.

O Sr. Biden disse que as empresas de jogos não estavam sendo "destacadas" e não havia "bala de prata" quando se tratava de resolver o problema. Ele disse que não havia bons dados de qualquer forma para apoiar ou refutar as alegações de que a violência nos jogos provocava ações reais.