segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Algoritmo supera os humanos ao detectar notícias falsas


   Um sistema de inteligência artificial que pode dizer a diferença entre notícias reais e falsas - muitas vezes com melhores taxas de sucesso do que suas contrapartes humanas - foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Michigan. Tal sistema pode ter plataformas de mídia social, mecanismos de pesquisa e agregadores de notícias filtram artigos destinados a desinformar.

   “Como qualquer outra pessoa, ficamos perturbados com o efeito negativo que notícias falsas podem ter em grandes eventos políticos e na vida cotidiana”, disse Rada Mihalcea , um professor de ciência da computação da UM que desenvolveu o sistema. “Meu grupo fez uma quantidade significativa de trabalho na detecção de fraudes por quase dez anos. Vimos uma oportunidade para abordar um problema social importante através da expertise que acumulamos ao longo dos anos ”.

   Mihalcea e sua equipe desenvolveram um algoritmo lingüístico que analisa a fala escrita e procura pistas como estrutura gramatical, pontuação e complexidade, que podem oferecer sinais reveladores de notícias falsas. Como muitos dos agregadores de notícias e sites de mídia social de hoje contam com editores humanos para identificar informações incorretas, a assistência de um sistema automatizado poderia ajudar a agilizar o processo.

   Para treinar seu sistema, os pesquisadores representaram características linguísticas como pontuação e escolha de palavras como dados, e depois alimentaram esses dados em um algoritmo.

   “Curiosamente, o que os algoritmos procuram nem sempre é intuitivo para as pessoas procurarem”, disse Mihalcea. “Nesta e em outras pesquisas que fizemos sobre o engano, descobrimos, por exemplo, que o uso da palavra 'eu' está associado à verdade. É fácil para um algoritmo contar o número de vezes que 'eu' é dito e encontrar a diferença. As pessoas, no entanto, não fazem essa contagem naturalmente e, embora possa ser fácil, isso as distrairia do real entendimento do texto. ”


   O sistema demonstrou uma taxa de sucesso de 76% em identificar artigos de notícias falsas, em comparação com cerca de 70% para os seres humanos. Mihalcea imagina tal sistema ajudando tanto os agregadores de notícias quanto os usuários finais a distinguir entre histórias verdadeiras e intencionalmente falsas.

   O sistema não pode compensar completamente os seres humanos, no entanto. Por um lado, não checa o fato, então o conteúdo bem-intencionado (mas, em última análise, falso) ainda passará.

   Os pesquisadores apresentarão um documento detalhando que o sistema foi apresentado na Conferência Internacional sobre Linguística Computacional em Santa Fé, Novo México, em 24 de agosto.